domingo, 4 de novembro de 2012

[Esp] Procuram-se Santos!


Por Cristiano Falek

Esta é a vontade de Deus: a vossa santificação” (I Ts 4,3).

Imaginem um anuncio que seria um furo jornalístico de primeira, mas que ninguém jamais pensou em colocar nos classificados. Um dia você acorda e vê em cima da mesa da sua casa, do seu trabalho, na biblioteca da sua faculdade, na banca de jornal quando você está passando pela rua uma manchete espetacular e que choca tudo mundo: PROCURAM-SE SANTOS!

Certamente que uma notícia como essa ia ser um sucesso de audiência de qualquer jornal, pois geraria uma polêmica absurda neste mundo que já não conhece o que é realmente ser santo. Certamente encontraríamos pessoas favoráveis e pessoas contrárias, como em todos os assuntos. Mas não é disso que estou aqui pra falar.

O problema é que este anuncio não aparece na ‘Folha de São Paulo’ ou no ‘O Globo’, mas se aparecesse geraria uma polemica danada, ocasionaria no dia seguinte uma manchete de primeira página, aquela que você encontraria no seu jornal. Diante deste  mundo que já perdeu o sentido de Deus, o coração do homem tem no seu mais profundo um ‘anuncio de classificado’ que tem um: “Procura-se santo(a)! Seguidor(a) de Jesus Cristo e do seu Evangelho. Que viva de forma coerente a sua fé. Que ore. Que ame incondicionalmente o seu próximo. Que seja um homem ou uma mulher segundo o coração de Deus. Tratar com Coração da Humanidade, Qualquer lugar, de qualquer rua, de qualquer cidade, de qualquer bairro e de qualquer país do mundo”. O mundo de hoje infelizmente está sedento destas pessoas, aliás, desde sempre o mundo esteve sedento de Deus e de seus santos, que são os aqueles capazes de levar Deus ao coração da humanidade.

Enquanto escrevo, lembro daquela conhecida mensagem aos jovens, que é atribuída ao Beato João Paulo II, conhecida como: ‘Precisamos de santos’. Na verdade, esta mensagem apenas reproduz aquilo que a humanidade inteira clama, de forma implícita, todos os dias diante de suas dificuldades, suas fraquezas, suas misérias.  Se pararmos pra pensar na imensa legião de fieis que nos precederam nesses vinte séculos passados, podemos perceber o quanto  o mundo tem de Deus e têm sede de homens santos.

Podemos perceber isso claramente num exemplo, através da vida de São Francisco de Assis. No livro ‘O irmão de Assis’, vemos uma cena onde o ‘Poverello começa a pregar em uma cidade e de repente é atacado pela multidão que parecia ter fome dele. Ao ser questionado pelo irmão que o acompanhava, São Francisco diz-lhe, como homem santo que era; que as pessoas tinham sede era de Deus e não dele.  Não é esse caso único da história que se vê casos assim. Pense por exemplo na multidão que acorria a Ars para se confessar com São João Maria Vianney, ou um santo mais próximo de nós, quantos homens não acorreram à San Giovanni Rotondo para falar com São Pio de Pietrelcina...

Desde os primeiros séculos a humanidade sempre presenciou o pecado e as desordens causadas pela sua existência no meio da humanidade; as desordens e desregramentos que são consequências da existência deste mal e da inclinação que temos a ele. Atualmente, num mundo que aceita o aborto, a eutanásia, a pansexualidade e diversos outros desregramentos como coisas normais: procuram-se santos!

Procuram-se homens e mulheres que mostrem tanta audácia e coragem quanto os mártires dos primeiros tempos do cristianismo. No Jubileu da Juventude, no ano 2000, assim disse o Beato João Paulo II: “Também hoje, caríssimos amigos, crer em Jesus, seguir Jesus pelas pegadas de Pedro, de Tomé, dos primeiros apóstolos e testemunhas, implica uma tomada de posição a favor d' Ele e, não raro, quase um novo martírio: o martírio de quem, hoje como ontem, é chamado a ir contra a corrente para seguir o divino Mestre. [1] É exatamente isso! Hoje somos chamados a ser santos, a dar um testemunho de fé através desse novo martírio de andar na contracorrente do mundo atual.

O mundo de hoje já perdeu o seu sentido, e somente em Deus a vida do homem pode tornar a ter sentido, por isso são tão necessários os santos. Diante de tantas pessoas que dão a vida por seus ideais, é necessário dar testemunho que acima de todos os ideais humanos, está o Evangelho e através dele, o seguimento à Cristo, que é aquele “que nos dá felicidade (Sl 4,7). 

Por mais difícil que isso pareça, precisamos ser santos não somente porque o mundo precisa de santos, procura santos, mas porque fomos chamados por Deus a isto. Logo após ter concluído uma aliança com seu povo no monte Sinai, Deus convida a seu povo: “Sede santos, porque eu, o Senhor vosso Deus, sou santo” (Lv 19,2). Mas o que significaria esse chamado para nós? Ser santos significa seguir a lógica do Evangelho o que não é algo difícil e, como alguns pensam, ultrapassado. Um autor de espiritualidade do nosso tempo, diz: “Seguir o evangelho, não é apenas uma idéia virtuosa ou a expectativa de uma recompensa vindoura. É aceitar uma lógica de Felicidade[2]. Percebemos, então, que somos chamados a ser santos, porque somos chamados a ser plenamente felizes.

O mundo de hoje está sedento de homens e mulheres santos. Diante de um mundoque errou bastante acerca do conhecimento de Deus, onde reinam tantos males, o ocultismo, a não conservação da pureza nem na vida nem no matrimônio, a impureza, o adultério, sangue, crime, roubo, fraude, corrupção, deslealdade, revolta, perjúrio, perseguição dos bons, esquecimento da gratidão, impureza das almas, inversão sexual, desordens no casamento, despudor” (Sb 14,22-26), somos chamados à santidade para vencer a ‘odiosa discórdia do mundo’. Se formos realmente santos, o mundo será transfigurado pela luz do Evangelho de Cristo que prega acima de tudo o amor ao próximo como a si mesmo, que é o oposto de todo o desvio moral, toda violência, todo sofrimento.

Assim testemunha o jovem ator mexicano Eduardo Verástegui após a sua conversão, numa entrevista a uma rede católica de TV: “não fui chamado ou nasci para ser um ator, não fui criado para ser famoso, nem rico, nem um engenheiro, um médico, um sucesso. Eu fui chamado a ser santo[3]. É interessante lembrar que não só ele mas todos nós, cristãos, fomos chamados a ser santos.

Se a isso fomos chamados, se sabemos que o mundo clama por isso. Porque não nos decidimos hoje a sê-lo?



[1] JOÃO PAULO II. Discurso na Vigília de Oração, § 4. Jubileu da Juventude. Tor Vergata, 19.VIII.2000.
[2] TOURNADE, Michel. Um amigo a ser descoberto. Vargem Grande Paulista, SP: Cidade Nova, 2005.
[3] Cardeal pede a fiéis que assistam “Bella”. Disponível aqui. Acessado em: 23.VIII.2012.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.