terça-feira, 11 de dezembro de 2012

[FH] A dependência afetiva nas mulheres homossexuais


Créditos: Demy Danny
"Parceiras lésbicas podem, como observam alguns ministérios [...] [que trabalham ajudando homens e mulheres que tem atração pelo mesmo sexo], assumir uma qualidade de “idolatria relacional”. Diferente dos relacionamentos caracteristicamente abertos de homens gays a ligação de duas mulheres tende a envolver um emaranhamento intenso. A psicoterapeuta Andria Sigler-Smalz, ex-lésbica que agora é casada, descreve a natureza de tais relacionamentos:

Relacionamentos femininos tendem em direção à exclusão social em vez da inclusão, e não é incomum um casal lésbico reduzir contato cada vez mais com os membros da família e amigos anteriores. Essa retratação gradual serve para assegurar o controle e protege contra a separação e as percebidas ameaças a sua frágil ligação.


O impulso propulsor no relacionamento lésbico são os déficits referentes às emoções e à criação da mulher do mesmo sexo; e esses déficits, em geral, não são sexualizados no mesmo grau que o da homossexualidade masculina. Para a lésbica, a “atração emocional” desempenha um papel mais crítico do que a atração sexual.

Nesses relacionamentos, parece haver uma capacidade para conexão particularmente forte. No entanto, um olhar mais de perto revela comportamentos que indicam um elo relacional frágil, repleto de medo e ansiedade... Por exemplo, vemos medos de abandono e/ou de anulação, lutas envolvendo poder (ou falta de poder) e controle, e desejos de juntar-se com outra pessoa para obter uma sensação de segurança e relevância.

Enquanto que os relacionamentos de lésbicas geralmente são de mais longa duração do que os relacionamentos masculinos, eles tendem a ser carregados de intensidade e mantidos pela “cola” do ciúme, da possessividade em excesso e de vários comportamentos manipuladores.

No curso do relacionamento, os “altos” são muito altos, e os tempos de conflito, extremos. Tempo excessivo juntas, telefonemas freqüentes, desproporcional troca de cartões ou presentes, apressada busca de morarem juntas ou juntar finanças, estas são algumas das maneiras de se defenderem contra a separação. Em tais relacionamentos, vemos a imitação de ligações sadias – isto é, dependência emocional e emaranhamento exagerado... Muitas vezes, há uma qualidade de desespero na atração emocional entre mulheres que lutam com o lesbianismo.”

De modo geral, as mulheres descobrem sua orientação sexual mais tarde na vida do que as pessoas do sexo masculino. Isso pode ser devido a vários fatores – especialmente por que as meninas tendem a ser menos ativas sexualmente do que meninos, e por que uma identidade lésbica geralmente aparece gradativamente e no contexto de ligações emocionais profundas, em vez de como resultado da experimentação sexual. Meninos, por outro lado, têm mais probabilidade de se aperceber de sua homossexualidade por intermédio de breves encontros sexuais esporádicos".

[NICOLOSI, Joseph. Homossexualidade: Guia de Orientação aos Pais, grifos nossos]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.