terça-feira, 29 de janeiro de 2013

[AC] A verdade e distorção midiática - nota sobre a matéria d'O Estado de São Paulo de 26.01.2013.


[No dia 26 de Janeiro, sábado passado, abrimos estarrecidos o jornal “O Estado de São Paulo” e encontramos na seção ‘Vida’, uma matéria intitulada  “Gays católicos praticantes buscam seu espaço na Igreja”. Sobre isso gostaríamos de tecer alguns esclarecimentos aos outros católicos que, certamente, ficaram tão perplexos quanto nós].


Em primeiro lugar é preciso ter em mente que a Igreja Católica é Mãe, por isso ama a todos e tem para cada alma humana apreço infinito, e não haveria de ser diferente pois ela recebeu do Senhor  a missão de levar aos confins do mundo a mensagem salvadora de Jesus.

Contudo, amor e verdade são duas realidades muitíssimo próximas: amor só é Amor se o for em verdade e que maravilha se todos os homens amassem a Verdade.

Que é a verdade?” (Jo 18, 38), questionou Pilatos quando da condenação de Jesus. Essa pergunta tão profunda e emblemática no Evangelho de João encontra resposta no próprio Jesus que afirmou: “eu sou o caminho, a verdade e a vida”(Jo, 14, 6).

Em face à matéria publicada no site do jornal Estadão é preciso deixar claro que a Igreja, por amar seus filhos nas mais diversas realidades, acolhe com muito respeito e carinho aqueles que experimentam atração sexual por pessoas do mesmo sexo. E por amá-los verdadeiramente os exorta a encontrar no Senhor Ressuscitado força e  conforto para seguirem o caminho a todos proposto: a santidade.

É preciso deixar esclarecer também que a atitude isolada de alguns membros da Igreja não refletem a verdadeira posição da Igreja no que se refere a questão da homossexualidade. A posição da Igreja pode, em suma, ser sintetizada na não aceitação da prática de atos homossexuais, em si contrários à lei natural, e no acolhimento seguro e materno daqueles que têm atração pelo mesmo sexo (cf. CIC § 2357-2359).

Afirmar que a Igreja é cega para as questões sexuais do gênero humano é um total desconhecimento da sua moral, senão, uma tentativa enganadora que visa a distorcer os fatos.

Tal como é ilusória a promessa de uma possível conciliação entre ser cristão e ter uma vida ativamente homossexual. Os que assim agem, de modo especial aqueles que se utilizam de estruturas da própria Igreja Católica tomam para si a responsabilidade daquilo que Jesus afirmou em Lc 11, 23: “quem não recolhe comigo, espalha.”

Irmãos, a Igreja Católica é atenta à realidade dos homens e mulheres em todos os tempos e circunstância. Assim, hoje existem movimentos e trabalhos sérios que buscam auxiliar e aqueles que sofrem com a questão da homossexualidade.

O Apostolado Courage busca ser canal que transmite a voz do Santo Padre e da Igreja anunciando a verdade de Jesus com amor num mundo que padece pela falta de constância e autenticidade e que tem buscado paliativos para questões profundas e oferecido anestesia para nossas consciências.

Sejamos uníssonos e audaciosos ao afirmar com Jesus: "E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará” (Jo 8,32).

Seus irmãos da equipe Coragem! 
o setor brasileiro do Courage Apostolate. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.