domingo, 14 de julho de 2013

[Tst] David Morrison: fora do armário e dentro da castidade...[IV]

Em sexto lugar, se há um ensino abrangente que a Igreja deveria enfatizar no futuro, não só para os católicos homossexuais, mas para toda a cristandade, seria o papel de que Cristo, nosso Redentor, desempenha na formação de nossa identidade primária.

Identidade é como um par de óculos. É através da nossa compreensão de nós mesmos que nós interpretamos e vemos Deus, as pessoas, e nosso mundo. É por isso que Paulo, ao escrever para a Igreja em Corinto, pela segunda vez, explicou: "Por isso, nós daqui em diante a ninguém conhecemos de um modo humano. Muito embora tenhamos considerado Cristo dessa maneira, agora já não o julgamos assim."(2 Cor 5,16).

O que era isso sobre seus leitores que Paulo pensou que iria mudar a maneira deles olharem para si mesmos e uns aos outros? Isso era a vida na luz da fé em Cristo Jesus. Considere esta definição de "homossexualidade", que eu desenvolvi após mais de uma década de reflexão sobre a pergunta: Ser gay significa doar-se acima de sua orientação sexual até o ponto em que isso se torna um fundamento e o centro de sua identidade.

Uma pessoa pode ser alguém com uma orientação homossexual, mas não pode ser "gay" no contexto moderno e ser uma pessoa com apenas uma orientação homossexual. No ato de auto-conhecimento, "sair do armário", que é tão importante para a comunidade gay, a pessoa sacrifica a personalidade individual em favor da identidade do grupo. A orientação homossexual passa de um aspecto periférico da personalidade a ser um aspecto definidor.

Se você é um cristão que tenha feito essa escolha, eu acredito que não há razão para examinar seu coração para a evidência de idolatria. Tenho observado que uma vez que uma pessoa tomou a decisão de que ele não tem apenas a orientação homossexual, mas é gay, então a orientação tende a ser um aspecto dominante da sua identidade e tudo o mais - a sociedade, a fé, instituições e até mesmo Deus - serão vistos e julgados por aquela lente particular. A orientação homossexual não é uma escolha para a maioria das pessoas, mas ser gay é, e é essa escolha que motiva grupos homossexuais a mudar da dignidade para o mal comportamento.

Tal entendimento errado da nossa identidade, creio eu, é a fonte desses erros desastrosos, porque quando criamos raízes em qualquer coisa fora de Cristo prejudicamos nossos esforços em obedecê-lo ou segui-lo.

Se eu, seja homossexual ou não, não unir a minha identidade primária em primeiro lugar com a de Cristo, então qualquer noção que eu possa ter de dominar ou conter o comportamento nunca terá sucesso. É a identidade de Cristo, todo o seu ser presente na Eucaristia e lembrado no Credo, ao qual devo minha primeira lealdade. Todos os outros, relacionamentos, desejos, pensamentos e esperanças devem ser ordenados em torno dessa grande verdade e existem apenas em relação a ele.

Nos três anos desde que me comprometi a uma vida casta em obediência a Cristo, tenho comunicado sobre este assunto com dezenas, se não centenas, de homens e mulheres homossexuais, pessoas de todas as crenças e de nenhuma. Deus achou por bem usar um pouco do que eu escrevi para influenciar alguns a reexaminar seus pressupostos de fé, sexualidade e identidade. Alguns foram levados a mudar suas opiniões. Outros não. Fico impressionado com a forma como alguns rejeitaram a doutrina oficial da Igreja. Em vez disso, correndo o risco de ser excessivamente extenso, as objeções que enfrento tem sido de três tipos gerais.

Primeiro, em um argumento baseado em um celibato confuso e castidade, alguns promovem a ideia de que, enquanto alguns podem ser chamados para ser celibatários, a grande maioria das pessoas homossexuais não são destinadas a conter seus desejos sexuais por toda a vida.
O segundo é um argumento intimamente relacionado que pode ser resumido, a grosso modo, como "Deus me fez assim, então o que eu faço deve ser agradável a ele." Aqui também alguns levantam a objeção de que esperar que eles sacrifiquem a sexualidade genital é pedir-lhes para agir de forma "anti-natural".

E Finalmente, alguns dizem: "Deus é amor. O que eu faço com o meu amante tem o amor como foco. Portanto, Deus deve aprovar o que fazemos, ou pelo menos não desaprova, pois Deus é amor."
Eu tenho encontrado uma mistura destes argumentos desde quase o início, e eu acho que eles devem ser úteis para mostrar como eles devem ser respondidos. Pessoas que confundem castidade e celibato precisam ser lembradas do que a Igreja realmente ensina sobre os dois (parágrafos 2.348-2.350 do novo Catecismo são um recurso útil) e elas precisam ter essa distinção clara de uma maneira prática. Eles muitas vezes precisam ser lembrados de que as pessoas homossexuais não são os únicos que Deus chama à castidade ao longo da vida como leigos. Afinal, se um homem ou uma mulher heterossexual podem viver a castidade, por que uma vida casta seria impossível para um homem ou mulher homossexual?

Embora seja verdade que esta não é uma realidade que todos abracem de bom grado, não deixa de ser verdade que o mesmo chamado à  digna obediência que impede a atividade genital homossexual impede também a atividade genital heterossexual fora do casamento. A castidade não é uma questão de graça extraordinária, mas é um padrão mínimo para homens e mulheres cristãos, independentemente de sua orientação sexual.

Aqueles que argumentam que a homossexualidade é dada por Deus, precisam ser lembrados de fatos básicos. Pessoas homossexuais não são mencionadas na Bíblia de nenhuma maneira, e se Deus realmente criou todo um terceiro gênero de seres humanos, não deveria Ele ter dito algo sobre isso? Além disso, que algo existe não prova que ele existe como Deus o concebeu. Na verdade, a Escritura ensina o contrário.

Morte, doença e dor vêm não só sobre os seres humanos, mas sobre toda a criação por causa do pecado de Adão (Rm. 5,12, 8,20-23). Nós arcamos com esta criação decaída em nossos corpos e em nossas mentes, para dentro de nossos próprios genes evidenciando em doenças como a hemofilia e Tay-Sachs para que se acredite.

O fato de a maioria dos homossexuais não conseguir lembrar de ter escolhido ser homossexual não significa que Deus ama o sexo homossexual de forma alguma mais do que ele ama o adultério, a fornicação, ou idolatria. Orientação sexual pode não ser uma escolha. Ações quase sempre são.

[continua...]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.