terça-feira, 25 de março de 2014

[Esp] 10 conselhos para que as pessoas com AMS vivam a castidade...


Há uma multidão de homens e mulheres que infelizmente foram acometidos pela AMS (atração pelo mesmo sexo). Diferentemente do que muitos acreditam, estas pessoas não buscaram isto para suas vidas, mas acabaram por circunstâncias alheias à sua vontade, acabrunhados dessa cruz. Muitos deles, porém, não se entregaram ao pecado e desejam ardentemente uma vida de santidade. 

A Igreja, por meio do seu magistério, orienta a castidade como um passo neste caminho de santificação, no entanto, um dos grandes desafios desses homens e mulheres é viver esta castidade, pois muito é dito, mas na prática fica sempre a pergunta: “Como vivê-la?” Por isso, colocamos abaixo alguns conselhos para aqueles que almejam essa virtude:

1. Deseje verdadeiramente ser casto - Muitas vezes dizemos que queremos ser castos, mas apenas da boca para fora. Nosso coração na verdade não está realmente desejando isso, e ai dizemos que não conseguimos ser castos ou “a castidade não é para mim”. Mas, a castidade é para todos! Deseje realmente a castidade, com todo o seu ser, deseje convictamente isto, porque aquele que realmente deseja algo, corre atrás, descobre o caminho para isto e alcança a sua meta. 

2. Fuja das ocasiões que levam à impureza - O Espírito Santo por meio da Escritura nos adverte: “Quem ama o perigo nele perecerá” (Eclo 3, 27). Muitas vezes queremos ser castos, mas continuamos a frequentar lugares que não convém, sites que não convém, amizades que não convém. E aí não avançamos na busca pela castidade. Santo Tomás de Aquino adverte que quando não nos afastamos do perigo ou quando nos expomos a ele deliberadamente, Deus não vem em nosso socorro. Portanto, se queremos que Deus nos ajude nessa luta, façamos a nossa parte e fujamos daquilo que nos leva a pecar contra a pureza. Lembre-se: um pequeno vazamento pode se transformar em uma grande inundação!

3. Seja humilde - O cristão deve compreender quais são os seus limites e desconfiar da sua própria autoconfiança nas ocasiões de pecado. O Cardeal Pecci (Papa Leão XIII), na sua celebre obra ‘A prática da humildade’ recomenda: “Convence-te que não és bom conselheiro de ti mesmo e por isso teme e desconfia de tuas opiniões próprias que, [por vezes] tem uma raiz má e corrompida.” Por isso, nas ocasiões de pecado, nunca acredite que você é capaz de suportar a tentação. Cuidado! Isso é falta de humildade. 

4. Participe da Santa Missa, se possível diariamente - A Celebração Eucarística é um encontro pessoal com Jesus Cristo presente em corpo, sangue, alma e divindade. Na Santa Missa, temos a ocasião única de nos alimentar dAquele que se fez pão, para ser nosso alimento e nos dar vida em abundância. Seja constante na participação da Santa Missa e saiba que a sua constância produzirá diversos frutos, dentre eles, a virtude da fortaleza, tão necessária para resistir às tentações.

5. Tenha intimidade com Deus através da oração - São Paulo nos recomenda: “Orai sem cessar” (I Tes 5,17). A oração é este dialogo com Deus. Por meio dela podemos alcançar de Deus tudo o que precisamos, diz Santo Afonso Maria de Ligório. Estar em contato com Deus nos permite aprofundar a amizade com Ele. E afinal, qual amigo que não atende de boa vontade que o outro amigo lhe pede? Deus, que não se deixa vencer em generosidade, nunca deixa de atender aos pedidos dos seus amigos, se isso colaborar para nossa salvação, por isso, ore e confie “pois Ele tem cuidado de vós” (I Pd 5,7).

6. Jejue - O jejum tem sido uma prática que as pessoas consideram fora de moda. O interessante é que quando queremos emagrecer, fazemos sacrifícios e as vezes, deixamos de comer por até mesmo por preguiça, mas na hora de fazer jejum, vem as desculpas de que ‘vai se passar mal’, ‘eu não consigo’, etc. Não passa de má vontade! Saiba que, por meio do jejum, o homem disciplina a sua própria carne e a sua própria vontade e assim adquire aquele autocontrole que tanto ajuda a viver a castidade. A prática do jejum, é um meio eficientíssimo para, juntamente com a oração, adquirir a virtude da temperança, que é a virtude-mãe da castidade. Um homem temperante é um homem casto!

7. Medite na Palavra de Deus - O Espírito Santo por meio da Sagrada Escritura nos ensina que é “feliz o homem que se compraz na lei do Senhor e nela medita dia e noite. É como a árvore plantada à beira das águas: dá fruto a seu tempo!” (Sl 1,2s). Muitas vezes buscamos prazer em tantas coisas e pouco tempo dedicamos ao prazer de estar com Deus. É preciso deixar de lado prazeres que não compensam e buscar a leitura e a reflexão diária da Bíblia, onde Deus nos fala pessoalmente. Muitas vezes, estaremos como Jesus no deserto e o demônio tentará nos convencer de que é impossível viver a castidade. Mas a castidade é possível para todo aquele que está unido ao Senhor, medita e encontra seu deleite na Palavra e na oração.

8. Busque seriamente o Sacramento da Reconciliação - Todos santos sempre se confessaram. Não acha que é bom fazer o mesmo? Pela confissão renovamos nossa união com o Senhor e ela nos traz a paz e o ânimo necessários para continuarmos a nossa jornada, por isso deve ser levada a sério. Caiu? Levante-se! Arrependa-se, faça um bom exame de consciência e vá se confessar. Não consegue se arrepender? Peça a ajuda de Deus. Pois é o Espírito Santo que convence o homem do pecado. 

9. Pensamentos, palavras e olhares para o céu - A Escritura nos ensina: “Desse modo, cercados como estamos de uma tal nuvem de testemunhas, desvencilhemo-nos das cadeias do pecado. Corramos com perseverança ao combate proposto, com o olhar fixo no autor e consumador de nossa fé, Cristo Jesus” (Hb 12,1). Muitas vezes, na jornada, nos sentimos desanimados. Ou perdemos o sentido das coisas. Neste momento, não devemos desanimar! Diante das dificuldades, é necessário que sempre sejam evitados o pensamento mau e desanimador! Corte-o! Olhe para Cristo, o autor da nossa fé, que é vitorioso de todo mal e de todo pecado e terás estimulo sempre para buscar estar ao lado dEle.

10. Ame a Deus e você encontrará a castidade - Se você realmente ama a Deus encontrá motivação para ser casto. O apóstolo São Paulo nos lembra: “Não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo, que habita em vós, o qual recebestes de Deus e que, por isso mesmo, já não vos pertenceis? Porque fostes comprados por um grande preço. Glorificai, pois, a Deus no vosso corpo” (1 Cor 6,19-20). Assim, São Paulo lembra os cristãos que o seu corpo é algo santo, sagrado e deve refletir a pureza de Deus e, ainda afirma uma realidade superior: somos templos de Deus, portanto, devemos acolher com dignidade suficiente este Hospede da Alma, o Espírito Santo. Portanto, a castidade é por primeiro, um ato de adoração a Deus que vive em nós, pois assim como recebemos bem nossos hospedes humanos, com maior respeito e reverência, devemos tratar o hospede divino, o Espírito Santo, que habita em nós. 

A castidade porém não é somente um ato de adoração, como uma demonstração de amor. Jesus diz: “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é que me ama” (Jo 14,21). Se você ama ao Senhor sabe que ele pediu no decálogo: ‘Não pecar contra a castidade’. Se você ama o Senhor e tem ele como seu amigo, vai querer decepcioná-lO? E Deus, rico em generosidade, não deixará faltarem os meios para que você consiga ser casto. Qual amigo quer decepcionar o outro? Deus nunca te decepcionará e você vai decepcioná-lO?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.