quarta-feira, 3 de fevereiro de 2016

[Esp] A importância da Quaresma e o que fazer durante esse tempo


COMO SANTIFICAR A QUARESMA





A Quaresma é tempo de santificação, e devemos tomar tomar resoluções firmes e objetivas de como santificar esse tempo. Mas quais resoluções tomar? Nada melhor do que resolvermos resguardar melhor o nosso coração e os nossos sentidos do pecado e da distração, bem como tratarmos, durante esse tempo, da reforma do defeito que mais nos importa corrigir. Como diz São Paulo: Agora é o tempo favorável, agora é o dia da salvação (II Cor 6, 2).

Devemos, nessa época, nos transportar em pensamento ao deserto, onde Jesus passou quarenta dias e quarenta noites. Contemplemos Nosso Senhor humilhado diante da majestade de Deus seu Pai, prostrado de joelhos, muitas vezes até com o rosto em terra, derretendo-se, ora em adorações, louvores, ações de graças, ora em súplicas para obter de seu Pai misericórdia em favor de nós, pobres pecadores. Ele juntava a essas súplicas, ainda, feitas com lágrimas nos olhos, uma incomparável mortificação, visto que durante esses quarenta dias não bebe nem come, não tem outra cama senão as pedras e a terra nua, não tem outro teto senão o céu. Tributemos a Jesus no deserto toda a nossa adoração e admiração, todo o nosso reconhecimento e amor.

Santidade do tempo quaresmal

Nosso Senhor nos ensina com o seu próprio exemplo. Ainda que a sua vida tenha sido sempre eminentemente santa, ela dá a ela, durante esses quarenta dias, um caráter exterior de santidade inteiramente especial. De que forma?

Tempo de recolhimento: Ele passa esses dias no retiro, ou seja, ele quer que nós passemos também esses dias com um santo recolhimento de espírito, condição necessária para ouvir a Deus no íntimo do coração, estuda-lo e conhece-lo, ama-lo e goza-lo. Ao mesmo tempo, devemos ter um espírito de reflexão, condição não menos necessária para conhecermos a nós mesmos e nos emendarmos.

Tempo de oração: Jesus passa esse tempo em oração para nos dizer que sejamos mais fiéis e exatos em nossos exercícios de piedade, para que rezemos mais e com mais fervor.

Tempo de mortificação: Nosso Senhor se sujeita, durante esse tempo, à mortificação mais rigorosa para nos dar a entender que é preciso, durante a Quaresma, conceder menos à sensualidade, ao gosto, ao prazer, aceitar as privações impostas pela Igreja e fazer verdadeira penitência.

É dessa forma que Jesus, com seu exemplo, nos ensina a santidade do tempo quaresmal. Esse ensino é confirmado pelo da Igreja. Qual não seria a razão de haver pregações mais frequentes, exercícios religiosos mais multiplicados? Para que são essas privações prescritas, senão para nos dizer que devemos santificar esses dias pela penitência? Abençoada seja a Igreja por esse ensino! No decurso de nossa vida esquecemos tão facilmente a penitência! Temos grande necessidade de sermos chamados cada ano a fazê-la, pois a penitência nos é indispensável, seja para expiar os nossos pecados passados, seja para evitar as recaídas a que a nossa fragilidade nos arrastaria infalivelmente.

A todos esses ensinos sobre a obrigação de passar santamente a Quaresma é acrescida uma razão poderosa, tirada dos santos mistérios da Paixão e da Ressureição de Nosso Senhor Jesus Cristo, aos quais a Quaresma serve de preparação. Porque o fruto desses mistérios deve ser morrermos para nós mesmos, e nascermos para uma vida nova toda em Deus e para Deus. Ora, esses mistérios não produzirão esses frutos em nós mesmos senão santificando verdadeiramente a Quaresma. Receberemos a plenitude das graças dos mistérios da Paixão e da Ressurreição se chegarmos bem dispostos ao fim da Quaresma. No entanto, sucederá o contrário se tivermos a desgraça de passar esses dias tão santos na distração, na irreflexão e na tibieza. Compreendamos, dessa forma, a santidade desse tempo e a necessidade de o passar melhor que os outros tempos do ano.

Meios de santificar a Quaresma




Primeiro: Devemos cuidar de aperfeiçoar as nossas obras costumeiras, e isso porque nisso consiste toda a santidade, ou seja, que devemos, durante esses santos dias, fazer melhor as nossas orações e os nossos exercícios espirituais, empregar melhor o nosso tempo, vigiar melhor as nossas palavras, dar a cada uma das nossas obras uma perfeição maior, e oferece-las a Deus unidas à penitência de Jesus no deserto, em expiação dos nossos pecados e dos pecados de toda a Terra.

Segundo: Devemos guardar o jejum e a abstinência que a Igreja prescreve, e se não podemos ou estamos dispensados deles, devemos supri-los com a mortificação interior, fazendo jejuar a vontade por espírito de obediência e condescendência, freando nosso gênio por uma brandura constante, nossa língua pelo silêncio ou pela discrição nas palavras, nossa boca pela privação de certos deleites de nenhum modo necessários, nossos olhos pela retenção das vistas (evitando a curiosidade), todo o nosso corpo pela modéstia de nosso porte e de nosso andar, todo o nosso interior pela supressão dos pensamentos inúteis, dos devaneios, dos desejos infinitos pelos quais o coração se deixa levar se não se contém. Essas mortificações não fazem mal nem à cabeça nem ao corpo. Fazem, na verdade, um grande bem à alma.

Terceiro: Devemos aceitar, de boa vontade, as tribulações que Deus nos envia, tais como as enfermidades, tolerar os gênios das pessoas, seus defeitos e suas vontades contrárias à nossa.

Quarto: Finalmente, devemos nos fixar em um defeito particular, cuja reforma perseguiremos durante toda a Quaresma. É este, diz São João Crisóstomo, o melhor de todos os jejuns, porque os seus frutos duram não só todo o ano, mas até na eternidade.

Estamos nós bem resolvidos a abraçar esses diversos gêneros de mortificação? Peçamos ao Divino Espírito de iluminar nossas inteligências e tomarmos nossas resoluções de Quaresma o quanto antes. Façamos boas leituras, meditemos na Paixão do Senhor e roguemos à Mãe de Misericórdia, Maria Santíssima, o ânimo para nos decidirmos e prosseguirmos em nossos bons objetivos.



(adaptado da meditação para o sábado depois das Cinzas, do livro Meditações para todos os dias do ano, do Pe. M. Hamon)

2 comentários:

  1. Olá, Deus abençoe vocês. Gostaria de saber mais sobre o jejum. Como devemos fazer e com que frequência? O que a igreja diz sobre isso? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve Maria!

      O Padre Paulo Ricardo tem ótima observações quanto ao jejum neste link: https://padrepauloricardo.org/blog/rasgai-os-coracoes-e-nao-os-estomagos .

      Há também um livro muito bom, da Editora Quadrante, que se chama "Por que mortificar-se? O valor do sacrifício", de Luiz Fernando Cintra. Antes de saber sobre o jejum, é bom estar bem informado do valor e da necessidade de qualquer mortificação.

      Esperamos que essas indicações ajudem a você. Deus abençoe!

      Excluir

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.