sábado, 23 de abril de 2016

[Esp] Como deixar o vício da masturbação?

COMO DEIXAR O VÍCIO DA MASTURBAÇÃO?




Estimado Padre, o que pode fazer um jovem para deixar o vício da masturbação?

Sua consulta pode ser extensiva a todo tipo de vício contra a castidade. A resposta se enquadra nas normas próprias para conservar a castidade (ou para recuperá-la depois de havê-la perdido).

Os meios se dividem em naturais e sobrenaturais (alguns dos meios que indicarei são assinalados pelo Papa Pio XII em sua formosa Encíclica Sacra Virginitas, nn. 34-35).

1. Os meios naturais para defender a castidade


1º Manter-se perfeitamente tranquilo diante das tentações.

“Sentir a tentação não significa consentir a ela”. Terá que ter uma consciência clara a respeito; em nada ajuda uma consciência escrupulosa, assim como tampouco o faz uma consciência surda à voz divina que soa dentro dela. Junto com isto terá que ter a segurança de que toda tentação pode ser vencida.

2º Vigiar e fazer penitência

A vigilância é absolutamente necessária em todos os momentos e circunstâncias de nossa vida, porque – como diz São Paulo – “os desejos da carne se opõem aos do Espírito, e estes aos da carne” (Gl. 5, 17). Pio XII escreve: “Se algum fosse indulgente, ainda em coisas mínimas, com as seduções do corpo, facilmente se sentirá miserável para aquelas obras da carne que o enumera o Apóstolo (cf. Gal 5, 19-21)” (Cf. Sacra Virginitas, n. 35).

É necessário velar sobre os movimentos das paixões e dos sentidos, “refreá-los com uma vida austera e com penitências corporais – diz Pio XII no mesmo lugar – para submetê-los à reta razão e à lei de Deus: “Os que são de Jesus Cristo crucificaram a carne, com as paixões e concupiscências (Gl 5, 24)”. Todos os Santos vigiaram seus sentidos e paixões. Até quem não pode, por alguma razão, fazer penitência corporal, ao menos não pode desculpar-se de estar alerta e de fazer mortificação interior.

3º Apartar-se do perigo

Um dos conselhos mais sábios que nos têm legado os Santos é que “é mais fácil superar as seduções das paixões fugindo delas que combatendo-as de frente”. “Fujo para não ser vencido”, dizia São Jerônimo (Contra vigilante., 16; ML 23, 352). No que consiste esta fuga? Em evitar diligentemente a ocasião de pecar e, principalmente, em elevar a alma às coisas divinas durante as tentações, fixando a vista em Cristo virgem.
É verdade que não podemos “sair do mundo” fisicamente. Mas não devemos estar nele com o coração e os sentidos. Ninguém pode manter a pureza se não começar por evitar os olhares, conversações, pensamentos, não só impuros, mas também, inclusive, turvos. Por quê? Porque está escrito quem ama o perigo nele perecerá (Eclo 3, 27). E Santo Agostinho: “Não me diga que tem a alma pura, se tiver os olhos impuros; porque o olho impuro é mensageiro de um coração impuro” (Epist. 211, n. 10; ML 33, 961).

4º Cultivar o pudor

O meio mais efetivo para defender a castidade é educar e fomentar o “pudor”. Pio XII chama este sentimento “a prudência da castidade” (Sacra Virginitas, n. 40). “A pureza exige o pudor”, diz o Catecismo (Catecismo da Igreja Catolica, n. 2521). O pudor é parte integrante da moderação; não é uma virtude propriamente dita, senão um sentimento louvável que constitui os alicerces da virtude. Consiste em uma natural reserva e instinto de rejeição não já diante do pecado, mas a qualquer alusão indiscreta à sexualidade. Evidentemente esta disposição não é devida a uma concepção falsa da sexualidade (se este afastamento instintivo se devesse ao entendimento da sexualidade como pecaminosa em si, estaríamos diante de uma consciência errônea e doentia), mas ao respeito delicado à sexualidade (própria e alheia). “O pudor, diz Pio XII, não gosta de palavras torpes ou menos honestas, e aborrece até a mais leve imodéstia; evita a familiaridade suspeitosa com pessoas de outro sexo [ou do mesmo sexo, no caso da atração pelo mesmo sexo, e isso se a familiaridade for SUSPEITOSA, não qualquer familiaridade – observação nossa]; infundindo no ânimo a devida reverência ao corpo que é membro de Cristo (cf. 1 Cor 6, 15) e templo do Espírito Santo (cf. 1 Cor 6, 19) (Sacra Virginitas, n. 40).

O pudor se alimenta do temor filial de Deus, quer dizer, do amor que teme ofender a quem ama. Apóia-se, também, na humildade. Quem quer ser puro, tem que ser também humilde; pois diz Santo Agostinho: “... a virgindade... tem que vigiar-se para que não se corrompa com a soberba... quanto mais [valioso] parece-me este dom, mais temo não deva desaparecer pela soberba”. A muitos castos a soberba tem feito cair na impureza.

5º Equilíbrio geral

Do ponto de vista puramente natural, é importante, também, manter uma boa higiene física, uma alimentação equilibrada, exercício físico e descanso.

2. Os meios sobrenaturais


Evidentemente não bastam os meios naturais; terá que recorrer também aos meios sobrenaturais, pois a castidade é um dom de Deus. De maneira particular, terá que se apelar a:

1º A oração.

Falando do dom da castidade, diz São Jerônimo que “foi concedido aos que o pediram, aos que o quiseram, aos que trabalharam por recebe-lo. Porque todo aquele que pede, recebe. Quem busca, acha. A quem bate, abrir-se-á (Mt. 7, 8)” (Comm. In Matth. XIX, 11; PL 26, 135. Citado por Pio XII, Sacra Virginitas, n. 43). E Santo Afonso ensina que não há meio tão necessário para vencer as tentações contra a castidade, como a oração a Deus” (Prática do Amor a Jesus Cristo, c. 17).

2º Os sacramentos da Confissão e a Eucaristia

A oração se deverá acrescentar a confissão frequente, que é medicina espiritual que purifica e cura. E também a Eucaristia que foi chamada, neste sentido, “remédio contra a sensualidade” (Leão XIII, Enc. Mirae caritatis, do dia 28 de maio de 1902 – AAS 36, 641). A Eucaristia, recebida com as devidas disposições, faz puros os corações, porque se recebe ao Autor de toda Pureza.

3º A devoção à Virgem Santíssima

Por último, um meio excelente para conservar a castidade (ou recuperá-la quando se perdeu) é a solida devoção à Virgem Mãe de Deus. “Em certa maneira, dizia Pio XII, esta devoção contém em si todos os outros meios; pois quem sincera e profundamente a vive, tem-se que sentir impulsionado a velar, a orar, a aproximar-se do tribunal da Penitência e ao Banquete Eucarístico.” (Sacra Virginitas, n. 45).

Maria Santíssima é Virgem das virgens e “mestra de virgindade”, com diz Santo Ambrósio (De institutione virginis, 6, 46; ML 16, 320). Santo Agostinho escreveu que “pela Mãe de Deus começou a dignidade virginal” (Serm. 51, 16, 26; PL 38, 348). E São Jerônimo assegurou: “Para mim a virgindade é uma consagração em Maria e em Cristo” (Epist. 22, n. 16; PL 22, 405). Por isso sigamos os conselhos de São Bernardo: “Procuremos a graça, e procuremo-la por Maria” (In nativitate B. Mariae Virginis, Sermo de acquaeducto, n. 8; PL 183, 441-442).

3. Concluindo


Estes são os meios gerais. Quando se trata de um vício fortemente enraizado, estes mesmos meios são os que levam a desarraigá-lo, mas atuando energicamente e depois da repetição de muitos atos. Só a prática virtuosa pode desarraigar um vício.

Se a impulsão para o vício já roça o comportamento anômalo, pode suceder que tenha raízes físicas ou psíquicas, e em tal caso, junto com os meios acima indicados, será necessário a ajuda de um médico de visão clara e serena, que realize um exame clínico geral e, de acordo com os resultados, indique alguns meios de ordem médica.

(extraído de “O teólogo responde: respostas católicas a dúvidas e objeções dos homens do terceiro milênio”, do Padre Dr. Miguel Ángel Fuentes, do Instituto do Verbo Encarnado)



6 comentários:

  1. Obrigado apostolado Courage por trazer para nós, jovens no meio das tormentas do mundo moderno tão tocantes e firmes partes da doutrina Católica. Deus é com vocês, sempre.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, pedimos suas orações pela difusão do Courage no Brasil.

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Felipe, escreva-nos no e-mail contato@couragebrasil.com.

      Excluir
  3. Bom dia,como você mesmo disse,existe casos que será necessário a ajuda de um médico de visão clara e serena,mas qual médico procurar,pois existem muitos médicos e inclusive padres que dizem que a masturbação é importante para se conhecer o corpo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Salve Maria! O Catecismo da Igreja Católica é claro quanto à masturbação ser pecado, e os padres que contrariam esse ensinamento estão errados e não devem ser ouvidos. Quanto aos médicos, é um profissional que presta um serviço, então é você que dita do que quer se livrar. Se o médico, psiquiatra ou psicólogo insistir, siga os princípios da Igreja e procure outro que tenha princípios sãos. Há bons médicos católicos ou mesmo cristãos com muito bons princípios, assim como padres que seguem plenamente o ensinamento da Igreja, basta a nós não ter medo e procurar.

      Excluir

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.