sexta-feira, 24 de junho de 2016

[Esp] São João Batista, modelo para nossa luta



A Igreja nos apresenta o calendário litúrgico não para que para ele olhemos placidamente e peçamos bens materiais aos santos cujas festas são comemoradas em dias específicos. Os santos nos são colocados como modelos a ser seguidos, cabendo a nós vermos em seus exemplos as virtudes que devemos praticar em nossas vidas, afastando-nos dos ídolos apresentados pelo mundo.

Nós, homens e mulheres que lutam com a AMS, podemos encontrar em São João Batista, cuja festividade celebramos hoje, exemplo para nosso combate? Sem sombra de dúvidas, pois cada santo suscitado por Deus tem muito a nos ensinar, e São João Batista não foge à regra.

1 - AMOR À VERDADE

Assim estabelece a primeira meta do Courage:

“Viver uma vida casta de acordo com o ensinamento da Igreja Católica Apostólica Romana acerca da homossexualidade.”

São João, ao se deparar com o pecado do rei da época, Herodes, que havia tomado por esposa a mulher de seu irmão, não teve meias palavras para com o rei: “Não te é permitido ter a mulher de teu irmão” (Mc 6, 18). Diante do pecado de um rei e diante da lei de Deus, João Batista sabia que a única verdade era a proferida por Deus e que não poderia silenciar diante do pecado público de uma autoridade: enfrentou o rei e terminou por sofrer o martírio por ter anunciado a verdade.

Nossa meta nos convida, claramente, a viver a castidade de acordo com os ensinamentos da Santa Igreja, e não como nos incita o mundo, sem meio-termo, sem contornar os ditames da Mãe Igreja. Essa, mestra e sábia, nos ensina que os atos homossexuais são pecados graves, e que devem ser evitados a todo o custo com os auxílios que a mesma mãe nos dá: direção espiritual sábia, frequência aos sacramentos da Reconciliação e da Eucaristia.

A castidade é, dessa forma, a meta que devemos ter sempre à nossa frente. Mas falamos aqui da verdadeira, não dos ensinamentos de grupos dissidentes ou daqueles do mundo altamente sexualizado em que vivemos. E essa luta, ainda que não nos leve diretamente ao martírio sangrento como o de São João Batista, deve ser vivido constantemente, como um martírio diário, martírio esse que, no entanto, nos levará a gozar da mesma visão que tem agora São João: a visão da Trindade Santíssima, o convívio com o Cristo ressuscitado e com sua Mãe Santíssima.

2 - AMOR À MORTIFICAÇÃO

São João Batista ficou conhecido por pregar o batismo de arrependimento, e sua vida austera dava o exemplo daquilo que pregava.

“Na realidade,  a penitência, a humildade e a obediência são os únicos meios de dar à nossa vida moral toda a sua amplitude. Pela mortificação da carne livramo-nos das exigências escravizadoras da vida animal e damos à vida da alma mais amplo vôo. Pela mortificação da inteligência, isto é, pela humildade intelectual, pomo-nos em comunicação direta com o próprio manancial da verdade que é Deus; em primeiro lugar, não usurpando os seus direitos sobre nós, depois, submetendo-nos à sua palavra reveladora, ao consentirmos em crer que os limites da nossa curta ciência não são os limites da verdade infinita. Enfim, pela mortificação da vontade, elevamo-nos à vontade divina; colocamo-nos de tal modo acima das contingências humanas que nada nos pode afetar e a própria morte se converte no caminho mais curto para a vida.” (A virilidade cristã, Stanislas Gillet).

Não se alcança nenhum objetivo na vida sem sacrifícios. Como diz o ditado inglês, “no pain, no gain”, sem sofrimento não há ganho. Quantas vezes nos abstemos de certas coisas para atingirmos objetivos mundanos, e na hora de combater para adquirir as virtudes cristãs, em nosso caso especialmente a castidade, nos entregamos a um desânimo imenso diante das renúncias que teremos de fazer? Ora, nosso ganho será o reino dos céus, a morada dos santos e de nosso Criador. Quão necessário é, assim, adquirir o espírito de mortificação de São João Batista, que bem sabia que sem penitência e sacrifício não é possível entrar no reino dos Céus. Sem mortificação, a castidade se torna quase que impossível, pois nossa carne nos pede constantemente para ser saciada.  A mortificação, como bem afirmado por Mons. Stanislas Gillet, é o meio de domarmos nossas potências, decaídas em decorrência do pecado original e que tendem, a todo momento, em querer se impor sobre nosso desejo de nos santificar e evitar o pecado.

Aprendendo com os exemplos que Nossa Mãe, a Santa Igreja Católica, nos apresenta através do calendário litúrgico, neste dia em especial com a comemoração da natividade de São João Batista, teremos força para ver as virtudes como possíveis e nossas metas como destinos certos através do amor à verdade e à mortificação.

São João Batista, rogai por nós!

Um comentário:

  1. Neste final de semana (em um retiro) tive a imensa surpresa e satisfação em conhecer a pastoral "Courage", pois diante de nossa realidade LGBT etc...nossa Igreja mostra seu posicionamento, eu é que não conhecia. Meu próprio padrinho de crisma é A.M.S. e vive a castidade e a santidade, mas eu achava que esse era um caso isolado...A característica A.M.S. se desenvolve na psiquê por meio de alguns fatos e maneiras de encará-los em nossa vida e, antes de qualquer julgamento devemos perguntar:"se fosse eu a passar por determinados dramas, conseguiria ser melhor?". Além do mais, vejo nessas pessoas verdadeiros Homens e Mulheres, pois vencem seus instintos e se Deus não os cura desse desejo diferente talvez seja para dizer que somos mais que instintos que guiam racionais e irracionais, somos espirituais e intelectuais. Muitos heterossexuais destroem o próximo e se destroem por se restringirem a ser apenas instintuais...enfim, meu profundo respeito e admiração a vocês que transcenderam. Como posso ajudar além de divulgar?

    ResponderExcluir

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.