segunda-feira, 13 de junho de 2016

[FH] A importância do pai na família cristã [II]


[Continuamos a apresentar a  série de textos do Pe. Pafarrer Pavanetti, SDB sobre a importância fundamental do pai na família cristã.  Todos os terapeutas que estudam  as causa da  atração pelo mesmo sexo  (AMS), como Gerard van den Aardweg, Richard Cohen, Joseph Nicolosi, Aquilino Polaino, entre outros, afirmam que é fundamental a participação do pai no processo de formação da personalidade dos filhos. Neste texto, os pais encontrarão aqui uma reflexão fundamental sobre o seu papel na educação dos filhos e todos os outros homens encontrarão subsídios para conhecer a importância fundamental do pai para a educação de novos homens e mulheres]. 

A dignidade da paternidade
  
Nesta época de predomínio do materialismo, o ensinamento positivista que formou os atuais Pais de família, o estouro passional ao qual a juventude se lançou a partir dos anos 60 com os hippies e a revolução sexual, a inexistência da educação religiosa e o império do laicismo destruidor: tudo isto pesou na formação de inúmeras gerações de homens, que se viram como “Pais” sem saberem nada sobre sua dignidade e responsabilidade. Vivem uma realidade, ignorando seu valor: sua dignidade humana e sobrenatural.

Ser Pai significa sentir-se tão homem a ponto de ser capaz de arcar com a responsabilidade de formar outro homem, isto é, compreender a vocação de Deus que o chama a colaborar com Ele na criação de novos seres. Ser Pai significa ter vivido de tal modo sua própria vida enriquecendo-a com tantas virtudes, que os filhos sintam o orgulho de tê-lo como origem e fonte de sua vida.

Ser Pai significa sentir-se tão maduro na justiça e na verdade, a ponto de ser capaz de dar aos seres procriados por seu amor toda a educação humana, firme e forte, reta e santa, que os faça dignos e felizes.
  
Ser Pai significa que o amor criador não morre, mas ressuscita a cada dia na recriação contínua que consiste em construir, a cada instante, um caráter.

Ser Pai denota viver somente para seu lar, dar todas as preferências ao lar, viver no lar e para o lar. E todo o amor, a preocupação e o tempo negados aos filhos constituem uma traição que nada pode justificar.

Porém, se tudo isto é projetado no plano sobrenatural, a paternidade humana adquire um valor e uma ressonância indubitáveis.

Deus criador viu o ser humano cair em pecado, mas esse ser foi redimido por Cristo; foi feito partícipe da Natureza Divina pela graça santificante; foi adotado como filho de Deus, destinado à contemplação direta dEle no Céu.

O filho é um templo no qual moram as três Pessoas Divinas e no qual o Espírito Santo realiza os planos eternos do seu amor. Para isso, os pais levam seus filhos à Igreja para serem batizados, e depois os preparam para o primeiro encontro com Cristo. E é Cristo o ideal segundo o qual se deve formar a alma humana. E para a amizade com este Cristo, deve-se lutar por toda a vida: tudo isto é educar.

E para essa educação sobrenatural é necessário o Espírito Santo, que ao dirigir toda a obra de santidade, não pode fazê-lo sem o Pai de família, pois sua vigilância, sua autoridade e seu amor são os melhores instrumentos para cultivar a alma da criança. E toda esta imensa e divina obra da educação deve ser feita em união com a esposa, e ambos devem santificar-se, e devem fazer de seu lar um santuário.

Quem nunca pensou, com um profundo senso do dever, nas obrigações e na dignidade excelsa desta vocação?

[continua...]

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.