segunda-feira, 15 de maio de 2017

[Atld] Courage na Assembléia de Bispos do México

O Courage, desde 2016, possui o status canônico de Associação Pública Diocesana e Clerical de Fiéis. No dia 28 de abril, um dia antes de nossa reunião latino-americana de coordenadores, foi feita uma apresentação para os bispos mexicanos. Esperamos que, aqui em terras brasileiras, também nossos pastores se interessem em nos dar a oportunidade de divulgar mais o nosso apostolado. Pedimos suas orações nessa intenção. Coragem!



Membro do Courage para os Bispos do México:


ser homossexual não me afastou de Deus



Cidade do México, 14 de Maio. A Conferência dos Bispos do México convidou, recentemente, um apostolado católico voltado para as pessoas do mesmo sexo para participar da sua centésima terceira Assembleia Plenária.
A Assembleia Plenária dos Bispos mexicanos aconteceu do dia 25 a 28 de Abril deste ano.
“Ter atrações por pessoas do mesmo sexo não me afastou de Deus,” Andrés C., um membro do Courage do estado de Chihuahua, contou aos bispos mexicanos no dia 28 de Abril.
“Mas é como ter um espinho por dentro, para o qual a graça de Jesus Cristo é suficiente, como São Paulo nos ensina,” ele disse.
Courage, que significa coragem em português, foi fundado nos Estados Unidos pelo Pe. John Harvey, e sua primeira reunião de célula aconteceu em 1980 na cidade de New York. O primeiro grupo estabeleceu o que hoje são as Cinco Metas: castidade, oração e dedicação, companheirismo, apoio e ser um bom exemplo/modelo a ser seguido.
Desde janeiro deste ano, o líder do Courage International, que tem mais de 100 células e serviços alcançando mais de 1500 pessoas em 14 países, é o Pe. Philip Bochanski.
Em novembro de 2016, o Courage e o EnCourage, que assiste às famílias e os amigos daqueles que possuem atração por pessoas do mesmo sexo, recebeu da Igreja o status canônico  de Associação Pública Diocesana e Clerical de Fiéis.
Suas células podem agora ser encontradas nos Estados Unidos, no Canadá, no México, na Austrália, Itália e no Reino Unido.
Andrés disse aos bispos mexicanos: “Eu aprendi de Deus que nós recebemos um grande presente da Igreja, porque eu sei que a Igreja tem estado em minha vida através do Courage.”
“Sei, agora, que não estou só. Eu tenho meus irmãos no apostolado que me escutam, me corrigem e me ajudam. Posso falar sobre tudo isso sem me sentir julgado e posso encontrar amizades que me ajudam a crescer em todos os âmbitos da vida”.
Andrés também disse: “nossa amada Igreja ainda é imperfeita na maneira como Ela ensina sua doutrina na sua vida pastoral, porque ambas devem ir juntas. A Igreja teve mais de 2000 anos de crescimento e aperfeiçoamento com relação a muitas questões complicadas. Dessa forma, a Igreja também saberá como se aperfeiçoar nesta questão através do amor, do respeito e da verdade.”
O Bispo de Cuernavaca, Dom Ramón Castro Castro, disse: “como um bispo da Igreja Católica, estou muito orgulhoso do apostolado que o Courage está oferecendo para a toda a Igreja universal.”
“É muito importante que, com entusiasmo, coragem, e com o Evangelho nas mãos, nós iluminemos as vidas de muitos irmãos e irmãs que necessitam ser acompanhados ao longo do caminho,” ele disse.
“O acompanhamento que o Courage proporciona é um dom da Providência Divina, e oferece o que poucos de nós fazemos: o acompanhamento humano e espiritual que ajuda nossos irmãos e irmãs no seu caminho para a santidade e uma experiência real da fé”.
“Recebam minha benção e continuem assim, precisamos disto!”, ele disse.


Representando o Courage, junto com Andrés, estavam o Pe. Philip Bochanski, Diretor Executivo da Organização; o Pe. Don Wainwright que, aos 87 anos é coordenador e capelão do Courage Latino e que iniciou este apostolado no México; e Rossana Goñi, coordenadora do Courage Latino e do Encourage nos Estados Unidos.

(a matéria original pode ser encontrada aqui)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.