sexta-feira, 21 de julho de 2017

[Atld] O que pode fazer uma esposa abandonada por um esposo homossexual?






Conheço um casal em que, um bom dia, ele se declarou homossexual e foi morar com outro homem. Ele segue sendo católico, vai à Missa e comunga todos os domingos (suponho que se confessa) para, em seguida, voltar para seu parceiro. Isto é bem visto e permitido pelos católicos. Ela, também católica, quer voltar a casar-se... mas – horror! – seu dever é esperar por ele! Se se casasse de novo, construísse uma nova família e criasse os filhos, estaria sob o sinal do pecado e não seria admitida à comunhão. Realmente estes cânones morais católicos me parecem um atentado à razão, à moral e aos mais santos princípios da honestidade elementar sem a qual não pode existir nenhum bem moral nem humano, nem cristão.


Estimado em Cristo:

Respondo à sua “consulta”, se é que me pede o parecer. Com todo o respeito ao que você apresenta como doutrina moral católica, mas tal não é a realidade. Em relação ao caso que expõe, vejo-me obrigado a particularizar algumas coisas:


1º. A doutrina sobre a homossexualidade pode ser encontrada, exposta sinteticamente, no Catecismo da Igreja Católica (2357-2359). No essencial ensina: “A homossexualidade designa as relações entre homens e mulheres que sentem atração sexual, exclusiva e predominante, por pessoas do mesmo sexo. A homossexualidade se reveste de formas muito variáveis ao longo dos séculos e das culturas. Sua gênese psíquica continua amplamente inexplicada. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves, a tradição sempre declarou que ‘os atos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados. São contrários à lei natural. Fecham o ato sexual ao dom da vida. Não procedem de uma complementaridade afetiva e sexual verdadeira. Em caso algum podem ser aprovados. Um número não negligenciável de homens e mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição. As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes de autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã”.

2º Tendo em conta a dimensão pecaminosa do ato homossexual e que a convivência com outra pessoa de mesmo sexo é ocasião de pecado, o acesso aos sacramentos (Eucaristia e Penitência) é ilícito e sacrílego enquanto não se dê verdadeira conversão, arrependimento e intenção séria de por um fim à situação pecaminosa. Pode-se ver sobre isto o mesmo Catecismo da Igreja Católica (1451). A este tipo de situações em geral (situações de pecado) refere-se Nosso Senhor Jesus Cristo quando diz: “Se tua mão for para ti ocasião de queda, corta-a; melhor te é entrares na vida aleijado do que, tendo duas mãos, ires para a geena, para o fogo inextinguível onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga. Se o teu pé for para ti ocasião de queda, corta-o fora: melhor te é entrares coxo na vida eterna do que, tendo dois pés, seres lançado à genna do fogo inextinguível, onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga. Se o teu olho for para ti ocasião de queda, arranca-o; melhor te é entrares com um olho de menos no Reino de Deus do que, tendo dois olhos, seres lançado à geena do fogo, onde o seu verme não morre e o fogo não se apaga” (Mc 9,43-48).

Imagem relacionada3º Por isso, se um sacerdote absolver em confissão e admitir à comunhão a um fiel que vive no estado que estamos descrevendo (quer dizer, aquele que não tem a intenção de abandonar seu pecado), comete ele mesmo um ato pecaminoso. Vai contra a doutrina da Igreja da qual ele não é dono senão administrador, e certamente não representa a Igreja ao obrar contra seus princípios. Quando você diz “isto é bem visto e permitido pelos católicos”, deveria dizer: “pelos maus católicos” ou “pelos católicos que não sabem bem o que significa ser católico”. Nenhum fiel, nem nenhum sacerdote, representa a doutrina da Igreja nem Igreja como Esposa de Jesus Cristo quando obram contra o Magistério da Igreja.


Resultado de imagem para mulher abandonada4º A mulher abandonada por seu marido deve guardar a castidade da mesma forma que o marido que a abandona. O matrimônio, se foi realizado validamente, é indissolúvel e obriga os dois cônjuges a exercer a sexualidade dentro do mesmo matrimônio, ou a abster-se dela. Isto não só é doutrina católica, mas Revelada, como o senhor pode ler em São Paulo, Primeira Carta aos Coríntios, capítulo 7, versículos 10 e 11: “Aos casados mando, não eu, mas o Senhor, que a mulher não se separe do marido. E, se ela estiver separada, que fique sem se casar, ou que se reconcilie com seu marido. Igualmente o marido não repudie a sua mulher”.



(O teólogo responde: respostas católicas a dúvidas e objeções dos homens do terceiro milênio, do Padre Dr. Miguel Ángel Fuentes, IVE)

3 comentários:

  1. Não existe a possibilidade de anular o casamento de acordo com o Catecismo ? Porque a mulher deve carregar essa cruz ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Prezado(a) irmã(o). Salve Maria! Como diz a própria matéria: "O matrimônio, se foi realizado validamente, é indissolúvel e obriga os dois cônjuges a exercer a sexualidade dentro do mesmo matrimônio, ou a abster-se dela. Não existe "divórcio católico". O que se tem de avaliar é se há alguma causa que invalide o casamento, e aí sim o casamento poderá ser anulado. Mas isso só um Tribunal decidirá. E não somos nós que escolhemos nossas cruzes: Deus as dá. Se foi essa a cruz escolhida para essa pessoa, certamente Deus dará todas as graças das quais ela necessita para se santificar e ir para o céu. Deus abençoe!

      Excluir
    2. " Não existe servo maior que o seu senhor "

      Se nos dizemos Católicos, e assim acreditamos na tradição da igreja, não podemos deixar de à cada dia pegar a nossa Cruz e segui-lo , pois como filhos de Deus cremos que fomos feitos para a santidade, porém devido ao pecado original todos nós temos as nossas limitações, sejam elas na área afetiva ( como uma pessoa com tendência homoafetiva ), física ( como alguém com deformidade em algum membro do corpo ) ou até msm intelectual ( como uma criança que nasce com síndtome de down ).

      Excluir

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.