terça-feira, 25 de setembro de 2018

[Esp] A luta pela castidade


A LUTA PELA CASTIDADE


Imagem relacionada

São Paulo exortando-nos à santidade pede que nos abstenhamos do vício da incontinência. Escreve: “Rogamo-vos, irmãos, e vos suplicamos no Senhor Jesus que vos abstenhais da fornicação... Que não vos entregueis a paixões desordenadas, como fazem os gentios que não conhecem a Deus” (1 Ts 4, 1.5). O Apóstolo insiste sobre este preceito. Não quer que se nomeie o vício contrário à bela virtude: “Nem sequer se mencione entre vós” (Ef 5, 3). Eu também não pretendo falar-vos dele. A alma não gosta de conversar acerca deste vício; porém, da virtude oposta podemos e devemos falar sempre. Que linda virtude esta! A castidade é a virtude do nosso coração!...
A impureza, entretanto, é tão difusa no mundo, que Santo Afonso não duvida em afirmar: “Todos os que se condenam é por causa deste vício ou, ao menos, com ele”. Como tentação, a impureza não poupa ninguém: nem os maus, nem os bons que vivem em contínuo temor de perder a castidade. Ademais, é um tormento que dura toda a vida. Em geral, raciocina-se desta forma: “Agora sou jovem... Mas quando ficar velho, a tentação passará.” Engano! Não passará nem mesmo com a idade avançada; é um temor que levareis até à sepultura.
(...)
Falo desta forma para vos consolar e ajudar a vencerdes as tentações. A maioria das almas piedosas sofre este gênero de tentação. É um tormento que Nosso Senhor permite para conservá-las na humildade e purifica-las. Nem os santos foram poupados desta luta, com a exceção de São Luís e poucos outros, por privilégio especial. São José de Copertino fazia milagres e mais milagres; no entanto, sofria terríveis tentações. Santa Catarina de Sena, provando certa vez violenta tentação, pedia a Nosso Senhor que a livrasse, mas Jesus fazia ouvidos moucos... Por fim, ele lhe apareceu e disse: “Não sabes que eu estava no teu coração e te assistia? Queria ver como lutavas; fizeste muitos atos de virtude”.
Não desanimeis, portanto se sois tentados. Tentação é uma coisa, pecado é outra. Pode-se passar sucessivamente dias, meses, anos e a vida inteira sem cair. Eis a tática usada pelos santos. De manhã diziam: “cuidemos de viver bem somente hoje.” No fim do dia acrescentavam: “Muito obrigado Senhor, por não ter caído; amanhã ajudai-me de novo!” Desta forma dia após dia, chegavam ao fim da vida e podiam exclamar: “Muito obrigado, meu Deus, por ter conservado esta bela “virtude!”
Estes tormentos imprimem certo desgosto na vida, desapegam-nos deste pobre mundo e nos fazem desejar a morte que nos livra do perigo de ofender a Deus. São Luís não podia mais merecer neste ponto; nós, sim, porque usando os meios necessários, combatemos e vencemos. Além disso, estas torturas espirituais nos purificam. O ouro é purificado no fogo e Nosso Senhor nos aperfeiçoa através destas fragilidades. Se for para o nosso bem, livrar-nos-á delas; mas, por ora, ele nos quer purificar por intermédio do combate.

(A vida espiritual, do Beato José Allamano)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.