quinta-feira, 13 de dezembro de 2018

[Atld] Atração pelo mesmo sexo e vocação sacerdotal


Muitas pessoas nos enviam questionamentos relacionados à vocação sacerdotal e qual é a orientação da Igreja para pessoas com AMS (atração pelo mesmo sexo). No intuito de apresentar esclarecimentos nesse sentido, começamos com esta entrevista de Daniel C. Mattson. Dan é católico, tem atração pelo mesmo sexo e é membro de nosso apostolado. Ele é uma das três pessoas que dão seu testemunho de vida em nosso filme Desejo das Colinas Eternas. Também é autor do livro Why I Don't Call Myself Gay: How I Reclaimed My Sexual Reality and Found Peace” (Por que não chamo a mim mesmo de gay: como recuperei minha identidade sexual e encontrei a paz). O seguinte artigo foi traduzido por nossos amigos da página O Catequista, e pode ser encontrado aqui.

PORQUE HOMENS COMO EU


NÃO DEVEM SER PADRES


Por: Daniel C. Mattson

Daniel C. Mattson


Eu sou o tipo de homem que a Igreja Católica diz que não deveria ser um padre. Eu experimento o que o Vaticano chama de “tendências homossexuais arraigadas”, que, segundo a Igreja, me tornam um candidato inadequado ao sacerdócio. (...)
Eu não me ofendo com este ensinamento. Na verdade, eu concordo com isso. Estou convencido de que, se a Igreja tivesse seguido seu próprio conselho em 1961 e 2005, não nos arrependeríamos das manchetes chocantes de hoje: “Vítimas relatam horrores de abuso sexual no seminário chileno”; “Seminaristas hondurenhos alegam má conduta homossexual generalizada”; “Policiais do Vaticano flagram orgias homossexuais movidas a drogas em casa do assessor de cardeal”; “O homem diz que o cardeal McCarrick, seu 'tio Ted,' abusou sexualmente dele”. A maioria dos horríveis abusos detalhados no relatório do Grande Júri da Pensilvânia envolveu rapazes e rapazes adolescentes. Isso não é pedofilia.
O que une todos esses escândalos é a homossexualidade em nossos seminários e no sacerdócio: o resultado da Igreja ignorando suas próprias diretivas claras. Se for séria em acabar com os escândalos sexuais, a Igreja precisa admitir que tem um problema de padres homossexuais e parar de ordenar homens com tendências homossexuais profundas. O primeiro escândalo do "Tio Ted" foi "Tio Ted" se tornando padre.
Eu abordo o assunto com receio. Estou convencido de que a maioria dos padres homossexuais são homens bons e santos. Um exemplo de muitos que conheço é um padre que serve como capelão de hospital. Ele acompanha regularmente as famílias através da dor do trauma físico, da doença e da morte de entes queridos. Ele tem um carisma especial para os homens que morrem com AIDS, o que é certo que vem de seu amor por outros com tendências homossexuais arraigadas como ele. Ele ajudou muitos deles a se reconciliarem com Cristo antes da morte.
Então eu concordo com o aviso do Bispo Barron sobre os perigos de fazer de bodes expiatórios os que, como eu, têm atração por homens. Mas reconhecer o papel avassalador que a homossexualidade desempenhou em muitos de nossos escândalos passados ​​e presentes não é um bode expiatório. É a Igreja confrontando a verdade.
O arcebispo Charles Chaput, comentando o documento de 2005, escreveu: “Embora persistentes tendências homossexuais nunca impeçam a santidade pessoal – homossexuais e heterossexuais têm o mesmo chamado cristão à castidade, de acordo com seu estado de vida – eles tornam a vocação de serviço sacerdotal muito mais difícil”. Pela minha experiência pessoal, acredito que haja muitas razões para que isso aconteça, mas aqui vou me concentrar apenas em duas, diretamente relacionadas à falta de castidade.
A primeira razão é que homens com tendências homossexuais acham particularmente difícil viver as exigências da castidade. A grande maioria dos escândalos na Igreja desde 2002 envolve padres homossexuais que falham profundamente na castidade. Isso não é surpresa para mim. A castidade, estou convencido (e a evidência confirma isso), é muito mais difícil para os homens com uma inclinação homossexual do que para os outros.
Pe. James Lloyd, C.S.P., um padre com PhD em psicologia da NYU, trabalhou com homens homossexuais (incluindo padres) por mais de 30 anos como psicólogo clínico. Sobre o tema dos padres de castidade e homossexuais, ele diz: "Está claro o suficiente, a partir de evidências clínicas, que a energia psíquica necessária para conter impulsos homossexuais é muito maior do que a necessária para o heterossexual desviado".
Como muitos homens atraídos pelo mesmo sexo, às vezes, compulsivamente, me envolvo em comportamento anônimo arriscado com outros homens. Se eu fosse padre, meu pecado teria sido agravado por cometer um horrível abuso contra alguém por quem eu deveria ter sido um pai espiritual. (...)
O segundo problema está diretamente ligado ao primeiro. Se um padre não está cumprindo os ensinamentos da Igreja em sua própria vida, ele não ensinará seus paroquianos a seguir um ensinamento que ele não acredita que se aplica a ele. Assim, um grave problema com os padres homossexuais é o alto número de pessoas que não concordam com o ensinamento da Igreja sobre a moralidade sexual e, secretamente (ou abertamente), minam esse ensinamento, tanto no púlpito quanto no confessionário.
Uma história da minha jornada em castidade é instrutiva. Logo depois de reingressar na Igreja em 2009, eu pequei tendo um encontro sexual anônimo com um homem. Cheio de remorso, fui me confessar no dia seguinte, e chocantemente, o padre (um estranho para mim) me disse que ter sexo com um homem não era pecaminoso. Em vez disso, ele disse para eu arrumar um namorado, dizendo: "a Igreja vai mudar." Mais tarde, quando eu comentei sobre esse padre com aqueles que o conheciam, disseram-me que era amplamente reconhecido que ele era homossexual. Em seu livro de 1991, Gay Priests, o Dr. James Wolf entrevistou 101 padres. Todos eles disseram que discordavam do ensinamento da Igreja sobre moralidade sexual; apenas 9% deles disseram que diriam a um leigo como eu que se abstenha de fazer sexo com um homem. Esses homens nunca deveriam ter sido ordenados.
Eu reconheço prontamente que os sacerdotes que eu descrevo acima não refletem todos os padres homossexuais. O documento do Vaticano de 2005 abre uma exceção para aqueles que podem ter tido uma homossexualidade “transitória” – homens que conseguiram superar as graves feridas das tentações do mesmo sexo por meio de aconselhamento, trabalho duro, oração e autorreflexão honesta e, assim, são bons candidatos para o sacerdócio. No entanto, acho que esses homens são raros.
Como os escândalos sexuais da Igreja são esmagadoramente homossexuais, a Igreja não pode mais arriscar-se a ordenar homens com inclinações homossexuais na esperança de que essas inclinações se revelem transitórias. A Igreja precisa de homens maduros, confiantes em sua identidade e prontos para serem pais espirituais. Eu amo a Igreja, mas não sou o tipo de homem que a Igreja precisa como padre. (...)
Como seria a Igreja Americana hoje se nossos bispos tivessem levado a sério as diretrizes de 1961, 1993 e 2005? Não podemos responder a essa pergunta, mas podemos olhar para o nosso futuro e ouvir as palavras do Papa Francisco sobre admitir homens homossexuais no seminário: “Se você tem a menor dúvida, é melhor não deixá-los entrar”. Oremos para que os bispos aqui na América e em todo o mundo escutem seus sábios conselhos.

Fonte: First Things


3 comentários:

  1. Excelente texto.Não só homens, mulheres tbm poderiam praticar o que nele está colocado

    ResponderExcluir
  2. Tenho recebido sinais claros da vocação à vida religiosa, mediante oração, confirmações e acompanhamento sacerdotal e psicológico. A recente colocação do Papa Francisco e, agora, do presente texto, vêm na contramão, me indicando não ser esse um caminho para mim, que tenho AMS. Estou em cheque. Peço a gentileza de um conselho pastoral de vocês do Courage. Nessa oportunidade, agradeço e rezo pelo ministério de vocês.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caso possa, escreva para a gente: contato@couragebrasil.com. Deus abençoe!

      Excluir

Obrigado por comentar nosso blog

Abaixo você tem disponível um espaço para partilhar conosco suas impressões sobre os textos do Apostolado Courage. Sinta-se à vontade para expressá-las, sempre com respeito ao próximo e desejando contribuir para o crescimento e edificação de todos.