terça-feira, 24 de maio de 2016

[Tst] A castidade e seus testemunhos


A CASTIDADE E SEUS TESTEMUNHOS



A Santa Igreja chama todos seus filhos e filhas a viver a castidade, cada um dentro da sua condição. Os solteiros a vivem na abstenção do sexo, seja enquanto esperam casar-se, seja por toda a vida - estes últimos são também chamados celibatários, não importando se são sacerdotes ou leigos, consagrados ou não. Os casados vivem a castidade na fidelidade conjugal. O desafio da Santa Igreja é que esse chamado à santa pureza ressoa pouco nos ouvidos do nosso tempo, que é tão sexualizado e tão avesso à pureza do corpo e da alma. 

Outrora, viver a pureza e conseguir a continência era sinal de virilidade para o homem, enquanto que a prática do sexo fora do casamento era vista como comportamento de homens fracos, por os  fazer semelhantes aos cães que agem pelas suas paixões, ao invés de agir pela inteligência. A mulher que vivia a pureza era respeitada e até reverenciada como algo sagrado. Hoje, o homem casto é ridicularizado como impotente e "boiola". A mulher casta é vista como frígida e antipática. 

Assim, perdemos há muito tempo a dimensão da beleza da castidade e da felicidade que é vivida dentro dela, especialmente na sua forma mais perfeita que é a virgindade - caso em que, durante toda a vida, pratica-se a pureza de corpo e de alma, por amor a Deus e em dedicação à caridade. Acaso, ultimamente, em  rodas de conversas ou na mídia, alguém ouve elogio ou fala bem da castidade? 

Acontece que, pensando na santa pureza, tornou-se comum achar que, vivendo a castidade, a pessoa deixa de aproveitar a vida. Afinal - pensam -, como, em sã consciência, alguém pensaria em não fazer sexo? Ou em não se masturbar? Ou em não ver um filme pornô? Ou em não ter relacionamentos com o maior número de pessoas possível, mesmo que isso signifique, depois de casado, ter de cometer adultério? Quem abriria mão de sentir o prazer sexual? Exagerou-se tanto a necessidade que o ser humano tem por sexo que isso gerou nas pessoas a certeza de que jamais alguém poderia ser feliz sem sexo durante sua vida, nem mesmo tendo-o apenas com uma pessoa, até o fim da sua vida. 

Contudo, o sexo não é condição de felicidade para o ser humano. Se fosse, teríamos de constatar que os praticantes de sexo são todos felizes. O que sabemos que não é verdade, pela simples conferência da realidade. Quantas vezes não ouvimos histórias de pessoas inseguras e infelizes dentro de relacionamentos sem compromisso? Quantos jovens não se queixam de solidão, apesar de masturbar-se ou ter experiências sexuais regulares? Há inclusive aqueles que, pelo uso desordenado do sexo, ficam viciados nele e testemunham grande angústia e infelicidade por isso, tendo que submeter-se a tratamentos, podendo, inclusive, participar dos Sexólicos Anônimos. Ademais, se o sexo fosse condição de felicidade, teríamos de constatar, pelo testemunho dos santos, que eles viviam extremamente infelizes. Mas, isto é estranhíssimo, considerando que, por exemplo, São Filipe Néri, São Francisco de Sales, Santa Teresa do Menino Jesus, São João Bosco e tantos outros eram conhecidos por sua alegria constante, além de que todos os santos testemunharam por seus escritos (ou por narrações de terceiros) uma profunda alegria pelo simples fato de possuir Jesus Cristo.  

A razão da felicidade deles é simples: eles não eram governados pelas suas paixões e, por esse fato apenas, já experimentavam grande paz interior. Mas isso não é tudo. Eles são felizes porque aquele que vive a castidade, buscando-a até sua forma mais perfeita, busca saciar sua fome mais íntima de amor com o amor infinito de Deus - seja aprofundando o conhecimento desse amor de Deus por eles, seja fazendo obras de amor pelo próximo. De modo especial, o que vive a pureza como celibatário toma Jesus por seu Esposo. Este é um mistério que escandaliza a muitos, mas para nós é fonte de nossa liberdade e felicidade. 

O Papa Pio XII, na encíclica Sacra Virginitas, ensina: 
"O apóstolo das gentes [São Paulo], inspirado pelo Espírito Santo, observa: 'Quem está sem mulher, está cuidadoso das coisas que são do Senhor, como há de agradar a Deus... E a mulher solteira e virgem cuida das coisas que são do Senhor, para ser santa de corpo e de espírito' (1Cor 7,32.34). É essa, portanto, a finalidade primordial e a razão principal da virgindade cristã: encaminhar-se apenas para as coisas de Deus e orientar, para ele só, o espírito e o coração; querer agradar a Deus em tudo; concentrar nele o pensamento e consagrar-lhe inteiramente o corpo e a alma." (Encíclica Sacra Virginitas, n.14, Papa Pio XII)
É verdade que o Papa Pio XII tratou em sua encíclica de modo especial da castidade consagrada dos sacerdotes, religiosos e leigos consagrados. Mas, podemos aprender muito com este documento para também pensar a castidade vivida por nós que sentimos atração pelo mesmo sexo. 

Quando nos doamos por inteiro a Deus, de corpo e de alma, entregando-Lhe cada pensamento, vontade, sentimento e ação, e sendo-Lhe exclusivo, e tendo-Lhe fidelidade dentro dessa exclusividade, acabamos vivendo um matrimônio com Deus.  


Clique na imagem para conhecer-lhe a história
Sobre isso diz Santo Ambrósio: "É virgem quem possui a Deus como esposo" (De virginibus, lib. I, c. 8; n. 52; PL 16, 202). Também rezam os virgens consagrados:  "O reino do mundo e toda a sedução do século desprezei-os por amor de nosso Senhor Jesus Cristo, que eu vi, que eu amei, em quem confiei, a quem preferi". (Pontificale Romanum: De benedictione et consecratione virginum).

Aquele que vive a castidade, por amor a Deus, experimenta da paz e da alegria do Céu. Dissemos, já aqui no blog, que "a vivência da castidade traz vários e vários benefícios para aquele que tem atração pelo mesmo sexo. Focando-se em unir as nossas intenções sexuais, submetendo as da carne às do espírito, a castidade direciona a nossa sexualidade a encontrar sua plenitude no amor cristão, um amor que é capaz de sacrificar-se pelo bem e salvação dos outros" (Castidade: um chamado de Deus a todos). Na mesma publicação dissemos que a castidade faz com que não sejamos escravizados pela carne, que compreendamos o grande valor da sexualidade humana, que tenhamos uma visão bonita e equilibrada das relações humanas. "Ganhamos mais confiança em nós mesmos, cultivamos paz interior e, principalmente, aprendemos a valorizar verdadeiramente nós mesmos" (ibidem). 

Como diz o Courage, no artigo Crescimento espiritual e emocional: nove verdades espirituais, "Seguir fielmente Cristo e viver em união com Sua Igreja - mesmo em meio às tentações – nos trazem uma paz que ultrapassa qualquer entendimento. Esta paz de viver na verdadeira união com Cristo é o maior dom que podemos receber".

Mais ainda, se somos por inteiro de Deus, devotando cada parte de nós a Ele e guardando fidelidade a Ele, também Deus, de Sua parte, devota tudo de si a nós e nos é fiel. Se somos de Deus por inteiro, Ele também é nosso por inteiro.


Sabemos que, dentre nós, há os que se envolveram com o estilo de vida gay ou que se macularam pela prática da masturbação ou pela pornografia. Apesar dessas manchas nas suas vestes batismais, não há razão para abandonar a busca pela castidade e pela união com Cristo. Sempre é possível recomeçar. 

Pelo Sangue do Cordeiro, nós somos purificados e, pela graça do Seu Santo Espírito, somos ornados assim como a noiva é ornada para o noivo. Diante de um coração arrependido, Deus abre o oceano infindável da Sua Misericórdia e ama-o intensamente, como ao filho que retorna para a casa paterna. Muitos santos tiveram uma vida de impureza, antes da sua conversão, como, por exemplo, Santo Agostinho de Hipona. O seu passado não os impediu de tomar a firme resolução de seguir os passos de Nosso Senhor. Do mesmo modo, você não precisa hesitar em buscar a Deus. Ele está de braços abertos, sempre, tal como diz o Santo Padre Bento XVI em sua encíclica Deus caritas est:

"O eros de Deus pelo homem — como dissemos — é ao mesmo tempo totalmente agape. E não só porque é dado de maneira totalmente gratuita, sem mérito algum precedente, mas também porque é amor que perdoa. Sobretudo Oseias mostra-nos a dimensão da agape no amor de Deus pelo homem, que supera largamente o aspecto da gratuidade. Israel cometeu « adultério », rompeu a Aliança; Deus deveria julgá-lo e repudiá-lo. Mas precisamente aqui se revela que Deus é Deus, e não homem: « Como te abandonarei, ó Efraim? Entregar-te-ei, ó Israel? O meu coração dá voltas dentro de mim, comove-se a minha compaixão. Não desafogarei o furor da minha cólera, não destruirei Efraim; porque sou Deus e não um homem, sou Santo no meio de ti » (Os 11, 8-9). O amor apaixonado de Deus pelo seu povo — pelo homem — é ao mesmo tempo um amor que perdoa. E é tão grande, que chega a virar Deus contra Si próprio, o seu amor contra a sua justiça. Nisto, o cristão vê já esboçar-se veladamente o mistério da Cruz: Deus ama tanto o homem que, tendo-Se feito Ele próprio homem, segue-o até à morte e, deste modo, reconcilia justiça e amor.
" (parágrafo 10. Grifo nosso).   

À luz do que dissemos até aqui, oferecemos testemunhos de santos que viveram a castidade de maneira especial e que, por sua invocação, podem nos auxiliar a conquistar a castidade na sua forma mais perfeita.


Santa Maria, Virgem e Mãe


Maria é também chamada "Santíssima Virgem" e invocada como "Virgem das virgens". Sobre ela, alude o texto do Cântico dos Cânticos (4,12): "És um jardim fechado, minha irmã, minha esposa, uma nascente fechada, uma fonte selada". Maria foi virgem em sua juventude, virgem na concepção de Nosso Senhor e virgem no seu casamento com São José. Na infância, ela era uma das virgens que cuidavam do Templo do Senhor. Ela optou por viver a virgindade por toda a vida e Deus lhe proveu São José como esposo, afim de assegurar o cumprimento do desejo mais íntimo de Maria: ser toda de Deus. Ela não só viveu a pureza do corpo, mas também a do coração.

Por causa de tanta pureza, diz o Espírito Santo, é que a Virgem "é bela como a pombinha" (Ct 1,9). Essa pombinha é Maria, a modestíssima Virgem, diz Apônio. De açucena chamam-na também: "Assim como a açucena entre os espinhos, é a minha amiga entre as filhas" (Ct 2,2). Na opinião de Dionísio Cartuxo, é ela açucena entre os espinhos, porque as outras virgens são espinhos para si e para os outros. Ao contrário, Maria, com a sua só presença, insinuava a todos pensamentos e afetos de pureza. Isso confirma as palavras de São Tomás: "A beleza da Santíssima Virgem despertava em quantos a viam o amor à pureza". (Santo Afonso Maria de Ligório. Glórias de Maria. 3.4.2) 

Ela nasceu livre do pecado original e seu coração jamais inclinou-se para o pecado, por isso dizemos que Maria é imaculada. Por isso, Deus escolheu Maria para ser mãe do seu Filho Único. Na virgindade de Maria, o Espírito Santo escolheu manifestar sua fecundidade, gerando no seu  ventre o corpo imaculado de Nosso Senhor. Ademais, como medianeira da graça, tal como ensinam Santo Afonso e São Luiz Montfort, confirmados pelo Magistério (Catecismo da Igreja Católica, 969), não há graça que chegue a nós que não passe por Maria - não por que isso fosse necessário, mas porque Deus assim quis estabelecer. Sendo assim, se queremos a graça da santa pureza, convém que nos dirijamos à nossa Mãe e lha peçamos. Com razão, todos os santos são unânimes em dizer que, para viver seguramente a castidade, é preciso ter devoção à Maria, a Santíssima Virgem, tal como diz São Filipe Néri: “A devoção ao Santíssimo Sacramento e a devoção à Santa Mãe não são apenas o melhor caminho, mas na verdade são o único caminho para manter a pureza".


São José, o Justo


José foi o castíssimo esposo de Maria. Sobre ele, diz São Mateus, Apóstolo e Evangelista, que era um homem justo e, por isso, ele foi escolhido por Deus para proteger a virgindade da Sua serva, Maria, e para ser pai adotivo do Seu Filho Único, Jesus. São José trabalhou como carpinteiro e, segundo a tradição latina da Santa Igreja, viveu a virgindade antes e durante o matrimônio com Maria. Apesar de não ter contraído núpcias com Maria, seu matrimônio foi verdadeiro porque houve prole, fidelidade e sacramento, tal como ensina Santo Agostinho (De nuptiis et concupiscentia, I, 11, 13: PL 44, 421). Apesar de Jesus não ter sido gerado do seu sêmen, José o educou e o protegeu como seu próprio filho, a tal ponto que todos conheciam Jesus como "filho de José, o carpinteiro". Esta é uma obra de Deus, extraordinária, que abala a abusiva convicção contemporânea de que o matrimônio é sustentado e constituído pelo sexo, e que relembra aos cristãos seus verdadeiros fundamentos: o amor e a fidelidade. São José aparece, com frequência, nos ícones segurando lírios, como sinal de sua pureza. Ele também é invocado como Protetor da Igreja.

"[...] a Igreja invoca-o [São José] como protetor, por um desejo profundo e actualíssimo de rejuvenescer a sua existência secular, com autênticas virtudes evangélicas, como as que refulgem em São José". (Paulo, Alocução (19 de Março de 1969): Insegnamenti, VII (1969), p. 1269). A Igreja transforma estas exigências em oração. Recordando que Deus confiou os inícios da nossa Redenção à guarda desvelada de São José, suplica-lhe: que lhe conceda colaborar fielmente na obra da salvação; e que lhe dê a mesma fidelidade e pureza de coração que animaram José no serviço do Verbo Incarnado; e, ainda, a graça de caminhar diante do mesmo Deus pelas vias da santidade e da justiça, amparados pelo exemplo e pela intercessão de São José. (Beato João Paulo II. Exortação Apostólica Redemptoris Custos, n. 30-31). 


São João, Apóstolo e Evangelista



Para saber mais deste apóstolo, clique na imagem
João, Evangelista, era o mais jovem dos apóstolos e, segundo a tradição, viveu por toda a vida a virgindade. Por essa razão, Santo Afonso Maria de Ligório explica a predileção de Jesus pelo jovem apóstolo.

"O Verbo Eterno, vindo a este mundo, escolheu para Sua Mãe uma Virgem, para pai adotivo um virgem, para precursor um virgem, e a São João Evangelista amou com predileção porque era virgem, e, por isso, confiou-lhe Sua santa Mãe, da mesma forma como entrega ao sacerdote, por causa de sua castidade, a santa Igreja e Sua própria Pessoa." (St. Afonso Maria de Ligório. Tratado da Castidade. in.: Escola da Perfeição Cristã)

A João foi concedido ver a transfiguração de Nosso Senhor, a força e a coragem para acompanhar Cristo na sua Paixão e, por fim, a tarefa de cuidar da Santíssima Virgem até seus últimos dias. Pela sua fidelidade a Cristo e por sua pureza, foi-lhe concedido a graça de ser o apóstolo a conhecer os desígnios mais profundos de Deus, que ele escreveu em Apocalipse, e aquele dos apóstolos a viver mais e por morte natural - quando todos os outros foram vitimizados pelo martírio.


São Paulo, Apóstolo


São Paulo escreveu nas suas cartas vários ensinamentos sobre a castidade. “O corpo, porém não é para a impureza, mas para o Senhor e o Senhor para o Corpo: Deus que ressuscitou o Senhor, também nos ressuscitará a nós pelo seu poder” (1 Cor 6,13). Na mesma carta, São Paulo nos introduz ao mistério da habitação de Deus em nós, pela graça: nós somos templo de Deus. “Ou não sabeis que o vosso corpo é templo do Espírito Santo que habita em vós, o qual recebestes de Deus, e que, por isso mesmo, já não vos pertenceis? Porque fostes comprados por um grande preço” (I Cor 6,19). À luz desse mistério, São Paulo adverte sobre os pecados contra a pureza: "Quem se une ao Senhor torna-se com ele um só espírito. Fugi da fornicação. Qualquer outro pecado o homem comete é fora do corpo, mas o impuro peca contra o seu próprio corpo" (I Cor 6, 17s). Falando dos estados de vida, São Paulo também diz: "O  homem solteiro cuida das coisas que são do Senhor, de como agradar ao Senhor" (I Cor 7,32 b); e ainda "A mulher que não é casada cuida das coisas do Senhor, para ser santa no corpo e no espírito" (I Cor 7, 34 b).

Além do ensinamento sobre castidade, São Paulo ajuda-nos, nós que sentimos atração pelo mesmo sexo, quando fala em II Cor 12 sobre sua experiência com sua própria fraqueza e sobre como Nosso Senhor o consolou imensamente. Naquela ocasião, São Paulo queixou-se de ter um "espinho na carne", algo que desconhecemos o que seja, mas que era uma grande provação para ele. São Paulo chegou a acreditar que, se Deus removesse aquele "espinho", ele seria um apóstolo ou um cristão melhor. Por isso, suplicou que Jesus o libertasse daquele mal. Porém, Nosso Senhor negou-lhe a satisfação desse pedido, explicando na sequência porque: "Basta-te minha graça, porque é na fraqueza que se revela totalmente minha força". Ouvindo isso, São Paulo entendeu que aquela sua fraqueza, longe de prejudicar sua vida, era o meio pelo qual Deus se manifestava mais intensamente nele. 


Portanto, prefiro gloriar-me das minhas fraquezas, para que habite em mim a força de Cristo. Eis por que sinto alegria nas fraquezas, nas afrontas, nas necessidades, nas perseguições, no profundo desgosto sofrido por amor de Cristo. Porque quando me sinto fraco, então é que sou forte. (II Cor 12, 9-10) 

Com base neste ensinamento, Pe. Paul Check nos lembra a todos a obra redentora de Nosso Senhor, em seu artigo Coragem e a cruz. A atração pelo mesmo sexo é certamente um espinho que nos põe sob constante provação. Porém, por causa de Nosso Senhor, ao invés de nos levar à morte e à infelicidade, a atração pelo mesmo sexo submetida à vivência da castidade nos proporciona o cultivo de várias virtudes e a união mais íntima com a Cruz de Jesus - o que traz consolo e alegria para nossas almas.  


Beato Louis Martin


Para saber mais da vida dele, clique na imagem
O pai de Santa Teresinha do Menino Jesus foi, desde sua juventude, sedento pelo Céu. Antes de conhecer sua esposa, Louis Martin vivia com simplicidade a fé dentro das suas atividades cotidianas. Ele viveu em um tempo em que a fé cristã era fortemente atacada pelo cepticismo e pelo ateísmo. Contudo,  aspirando cumprir a vontade de Deus, não apenas guardou a fé, mas também a pureza de corpo e de alma, chegando a cogitar a vida como sacerdote. Porém, ele não sabia latim - o que, na época, era exigência para entrar no seminário. Diante dessa negativa, poderia Louis fazer como muitos homens fazem: julgando que não precisam viver a pureza se não forem padres, abandonam a castidade e a vida devota, e abraçam a vida de prazeres do mundo. Contudo, Luis manteve sua resolução de cumprir o mandamento de Deus de não pecar contra a castidade. Enquanto manteve essa decisão, aconteceu de ele conhecer Zélia Guérin, por quem se apaixonou e com quem se casou e teve cinco filhas. A partir daí, Louis viveu a pureza dentro do matrimônio, pela sua fidelidade à Zélia, que também, desde jovem, vivia com zelo a vontade de Deus. Este santo casal foi fecundo por sua simplicidade e fidelidade, de modo que floresceram cinco vocações religiosas, as de suas filhas, que entraram todas para as ordens religiosas para se dedicarem à caridade e à oração.



Beato Pier Giorgio Frassatti


Para conhecer mais sobre ele, clique na imagem
Pier foi um jovem italiano, de uma rica família, que amava os esportes e as artes, mas que se dedicou durante sua curta vida especialmente à caridade, socorrendo os pobres. Sobre ele diz São João Paulo II:
Os que pensam que os santos são pessoas tímidas e solitárias, que depreciam esta vida pensando na outra, ficarão surpreendidos diante da figura do beato Pier Giorgio Frassati. Verdadeiro brincalhão, apelidado de "Robespierre" por seus amigos, com quem formou a associação denominada "I tipi loschi" - os tipos arruaceiros. Frassati foi um amigo dos pobres e via neles o Cristo. (Roma, 20/05/1990). 

Apesar de tantas atividades a que se dedicava, Pier cultivava uma ardente vida de oração, pelo amor a Jesus Eucarístico, pela frequente adoração noturna e pela meditação do hino da caridade de São Paulo. Ademais, apesar de sua juventude, guardou a santa pureza, testemunhando para um mundo que exalta a promiscuidade como experiência por excelência do jovem, que é possível ser feliz e ter uma juventude sadia pela continência, pela abnegação de si mesmo, pela prática da caridade.



São Giuseppe Moscatti



Para conhecer este santo, clique em sua imagem

Sobre São Giuseppe, diz São João Paulo II: 
"O homem que a partir de hoje nós invocaremos como um Santo da Igreja universal representa para nós a realização concreta do leigo cristão. José Moscati, Médico director de clínica, pesquisador famoso no domínio científico, professor universitário de fisiologia humana e de química fisiológica, tomou suas múltiplas actividades com todo o engajamento que necessita a delicada profissão de leigo. Sob este ponto de vista Moscati é um exemplo não somente a ser admirado mas a ser seguido, sobretudo pelos representantes sanitários. Ele representa um exemplo até para os que não partilham de sua fé." 

São João Paulo II)




Antes de se tornar papa, e antes mesmo de se tornar sacerdote, Karol Wojtyla viveu como um jovem comum, porém ávido de Deus. Ele praticava esportes e gostava de teatro, chegando inclusive a encenar peças - boa parte delas clandestinamente, por causa da dominação nazista que afligiu a Polônia durante a II Guerra Mundial. Já na juventude, seu coração estava voltado para Deus. Porque sofreu sob dois regimes totalitários, o comunista e o nazista, o beato aprendeu cedo que o caminho do ódio era destrutivo e que apenas em Deus o ser humano descobriria o amor necessário para ser transformado e alcançar o bem. Desse modo, o exemplo do jovem Karol Wojtyla nos ensina duas coisas: primeiro, que é possível viver a santidade em qualquer etapa da vida, dentro de nossa condição, realizando as atividades cotidianas, das obrigações aos momentos de lazer; segundo, que não importa o mal que testemunhemos no mundo, ele nunca deve nos desanimar, mas que, conhecendo o poder do amor de Deus e do Seu Cristo, devemos combatê-lo com ânimo e convicção.





A todos estes santos, dirigimos nossa súplica de intercessão para que vivamos com coragem a castidade em nossos dias: "Rogai por nós!".

sexta-feira, 20 de maio de 2016

[AC] Retiro Courage Brasil - 2016


RETIRO COURAGE BRASIL - 2016





Caríssimos irmãos,


O Courage Brasil tem realizado, sendo este o quarto ano, um retiro de silêncio nos moldes dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio de Loiola. O retiro é um momento de escuta de Deus, de revisão de vida, de confissão geral e de renovar os propósitos na busca de uma vida de santidade e de luta contra a AMS (atração pelo mesmo sexo).

“(...) Assim como passear, caminhar e correr são exercícios corporais, também se chamam exercícios espirituais os diferentes modos de a pessoa se preparar e dispor para tirar de si todas as afeições desordenadas, e, tendo-as afastado, procurar e encontrar a vontade de Deus, na disposição da sua vida para o bem da mesma pessoa.” (Santo Inácio de Loyola, Exercícios Espirituais, 1ª anotação).

Este ano, nosso retiro para homens será realizado entre os dias 26 a 29 de maio, sendo o dia 26 feriado de Corpus Christi. Ele irá das 16h00 do dia 26, quinta-feira, até o almoço de confraternização do domingo, dia 29 de maio. O preço é de R$ 360,00, aí incluída hospedagem completa, com quarto privativo com banho (roupa de cama e toalhas incluídas), todas as refeições, transporte, ida e volta de um local da cidade de São Paulo (a um quarteirão de estação de metrô), a ser informado posteriormente à inscrição, até o local do retiro.


Durante o retiro, que será realizado realizado em uma casa de retiros em Itapecerica da Serra, cidade da Grande São Paulo, haverá tempo para conversas com o padre pregador e com os conselheiros do apostolado. Por ser um retiro de silêncio, pede-se que as pessoas se abstenham do uso de celular e computadores, para ouvirem apenas aquele que deve ser ouvido: Deus. 

Pedimos ao interessados que nos contatem até o fim do mês de abril pelo e-mail: contato@couragebrasil.com.

Perguntas comuns:

O que devo levar? Roupa para três a quatro dias (pode fazer um pouco de frio), artigos para higiene pessoal, Sagrada Escritura, um livro dos Exercícios Espirituais (caso não tenha será fornecido no local), material para anotações.

Qual é o endereço da casa de retiros? A casa de retiros fica em Itapecerica da Serra. Em razão da confidencialidade dos participantes, apenas revelamos o local quando saímos de São Paulo, ou, se houve real necessidade, por e-mail.

Como devo fazer o pagamento do valor do retiro? O retiro deverá ser pago diretamente na casa de retiros, em dinheiro. Não serão aceitos cartões ou cheques.

Qual o tema do retiro? O retiro é de silêncio e seguirá os moldes dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio, que são o tipo de retiro mais recomendado pela Igreja. O tema é sempre a conversão, e há pregações feitas por um sacerdote, seguidas de meditações particulares. Haverá tempo de sobra para aconselhamento, seja com o padre pregador ou com os conselheiros do Courage que estarão presentes.


Quais são os horários de saída e de retorno a São Paulo? Sairemos às 14h00 na quinta-feira, de uma estação central do metrô de São Paulo. No domingo, almoçaremos e retornamos a São Paulo, saindo da casa de retiros por volta das 14h00 também.

Posso ir de carro? Sim, se você quiser pode ir de carro ao local do retiro. Basta nos escrever informando que forneceremos o endereço e mapa.

Há algum requisito para fazer o retiro? O retiro é apenas para homens que tenham um sincero desejo de viver em castidade e de conversão. Não é para curiosos, não é para pessoas que queiram entabular discussões diversas daquilo que ensina a Igreja Católica sobre a AMS (atração pelo mesmo sexo). Por isso solicitamos alguns dados antes de fazermos sua inscrição.

A confidencialidade do lugar e das pessoas que participarão são garantidas a todos.

As vagas são limitadas! Inscreva-se logo para conseguir a sua! Contamos com sua presença!

Seus irmãos em Cristo,



COURAGE BRASIL
O setor brasileiro do Courage Apostolate




No silêncio e sossego é que a alma devota adianta-se na perfeição”. 
(Imitação de Cristo, 1. 1, c. 20, 6).